Especialização em Estratégias de Enfrentamento à Violência Contra a Mulher

O Curso de Especialização em Estratégias de Enfrentamento à Violência contra a Mulher foi desenvolvido através de uma iniciativa da Escola de Saúde Pública do Ceará Paulo Marcelo Martins Rodrigues, por meio do Centro de Educação Permanente em Vigilância da Saúde, trata da qualificação profissional que tem como pressuposto o desenvolvimento do conjunto de conhecimentos teóricos e metodológicos, habilidades e atitudes capazes de sustentar as diferentes dimensões das práticas de Enfrentamento à Violência contra a Mulher.

Tendo em vista a melhoria do funcionamento dos serviços com acolhimento, atendimento e encaminhamento adequado das demandas das mulheres em situação de violência, a implementação das políticas públicas de enfrentamento a violência contra a mulher nos âmbitos estadual e municipais, e mobilização de estratégias educativas para minimizar o problema da violência contra a mulher no Estado do Ceará, o curso de especialização tem como meta, contribuir na ampliação da resolutividade dos profissionais no campo das estratégias de enfrentamento à violência contra a mulher, frente às novas realidades e desafios apresentados cotidianamente em seu locus de atuação.

Espera-se, portanto, que ao final do itinerário formativo o especializando adquira as seguintes competências:

  • Capacidade de realizar ações de prevenção da violência contra a mulher;
  • Capacidade de acolher, orientar e encaminhar a mulher em situação de violência;
  • Capacidade para promover articulação com entidades, movimentos sociais e redes envolvidas e implicadas na área da violência;
  • Capacidade para elaborar planos e/ou projetos para o enfrentamento da violência contra a mulher;
  • Capacidade para promover a realização de ações básicas de assistência à mulher em situação de violência nas diversas áreas;
  • Capacidade de Aplicação das Políticas Públicas para o enfrentamento da violência contra a mulher adequadas ao contexto local;
  • Capacidade de aplicação do Protocolo de assistência à saúde da mulher vítima de violência (competência específica): saúde, assistência social, jurídica/trabalhista e educacional.
  • Compreender os principais indicadores epidemiológicos da violência contra a mulher e suas correlações com os perfis sociodemográficos
  • Utilizar o perfil epidemiológico/sociodemográfico como subsídio para a prática de prevenção da violência contra as mulheres
  • Reconhecer, nos territórios, as fragilidades e potencialidades sociais e demográficas para a prevenção da violência contra a mulher
  • Sensibilizar-se perante a realidade da violência, em contextos macro e microestruturados na prevenção da violência contra a mulher
  • Desenvolver pensamento crítico visando a não estigmatização das mulheres em situação de violência
  • Descrever o perfil da(s) mulher(es) assistida(s) e seu contexto biopsicossocial
  • Discutir, entre pares, as ações de promoção e recuperação de saúde para a mulher vítima de violência
  • Desenvolver a escuta ativa
  • Reconhecer as fragilidades e potencialidades da(s) mulher(es) diante das circunstâncias apresentadas pelas mesmas
  • Traçar, em parceria com a mulher, os encaminhamentos adequados à situação de vulnerabilidade social na qual as mulheres vítimas de violência se encontram
  • Desenvolver empatia diante das situações de violência trazidas pelas mulheres
  • Valorizar a importância do acolhimento e do acompanhamento integral dessas mulheres, independente da instituição
  • Identificar as entidades e movimentos sociais voltados ao enfrentamento da violência contra a mulher
  • Refletir sobre as influências do território físico e social na atuação das entidades, movimentos e redes voltadas ao enfrentamento da violência contra a mulher
  • Articular vínculos institucionais com os gestores e representantes das entidades e movimentos sociais
  • Identificar as legislações vigentes no contexto nacional, estadual e municipal
  • Analisar as potencialidades e limitações da rede no enfrentamento da violência contra a mulher
  • Analisar a aplicabilidade dos projetos e planos elaborados tendo em vista o contexto sociodemográfico e a realidade da rede
  • Localizar, na legislação, as ações de promoção e recuperação de saúde para a mulher vítima de violência
  • Promover a implementação dos protocolos de atendimento às mulheres vítimas de violência
  • Promover medidas de otimização das redes de suporte às mulheres vítimas da violência
  • Reconhecer a importância da atenção humanizada e resolutiva nos serviços assistenciais à mulher vítima de violência
  • Valorizar a importância do acolhimento e acompanhamento integral dessas mulheres, nos vários pontos de atenção da rede SUS e demais redes de enfrentamento à violência
  • Refletir sobre a realidade local e a necessidade de implementação das leis existentes e/ou de novos dispositivos legais no âmbito dos municípios
  • Articular as necessidades locais das mulheres em situação de violência com as Políticas e Leis Nacionais e Estaduais
  • Reconhecer espaços de implementação de políticas voltadas ao enfrentamento da violência nos territórios locais
  • Reconhecer a importância das Políticas Públicas no seu cotidiano de trabalho para o enfrentamento da violência contra a mulher
  • Identificar os protocolos de assistência vigentes nas áreas de saúde, assistência social, jurídica e educacional para o enfrentamento da violência contra a mulher
  • Adequar os protocolos às realidades dos serviços locais e das equipes multiprofissionais frente as diversas situações de violência contra a mulher

Módulo I - Gênero e Sociedade
Unidade 1 – Introdução ao Curso
Aula Magna: Desafios e perspectivas no enfrentamento à violência contra a mulher no Ceará.
Unidade 2 – A construção do gênero feminino na sociedade
Unidade 3 – Violência contra a mulher no Brasil e no Ceará
Unidade 4 – Abordagem histórica dos movimentos sociais no contexto da violência contra a mulher
Transversal (1)– Metodologia da pesquisa em saúde

Módulo II - Políticas públicas de enfrentamento à violência contra a mulher
Unidade 1 – Políticas públicas e o combate da violência contra a mulher
Transversal (2) – Metodologia da pesquisa em saúde
Unidade 2 – Rede de enfrentamento à violência contra a mulher
Unidade 3 – Rede de assistência à mulher vítima de violência (serviços especializados e não especializados)

Módulo III - Vigilância da violência contra a mulher
Unidade 1 – Epidemiologia da Violência
Transversal (3) – Metodologia da pesquisa em saúde
Unidade 2 – Notificação da violência como estratégia de fortalecimento das políticas públicas
Transversal (4) – Metodologia da pesquisa em saúde

Módulo IV - Proteção dos direitos das mulheres em situação de violência
Unidade 1 – Marco Legal no enfrentamento da violência contra a mulher
Transversal (5)– Metodologia da pesquisa em saúde
Unidade 2 - Acesso à Justiça e Poder Judiciário: caminhos a percorrer
Transversal (6)– Metodologia da pesquisa em saúde

Módulo V - Articulação de vínculos
Unidade 1 – Articulação com entidades, movimentos sociais e rede envolvidos no combate à violência contra a mulher
Transversal (7) – Metodologia da pesquisa em saúde

Módulo VI – Assistência à mulher em situação de violência
Unidade 1 – Promoção e recuperação da saúde da mulher vítima de violência
Unidade 2 – Ética e gerenciamento de conflitos
Transversal (8)- Metodologia da pesquisa em saúde
Unidade 3 – Protocolos de Atendimento
Unidade 4 – Atendimento qualificado à mulher em situação de violência
(Acolher, orientar e encaminhar a mulher em situação de violência)

PÚBLICO

Profissionais de nível superior, com formação nas áreas da saúde, educação, segurança, assistência social e demais interessados na temática e/ou que atuem ou que pretendem atuar no enfrentamento a violência contra a mulher.

Z

MATRÍCULA

Através de seleção pública por meio de edital, em etapa única, com realização de prova teórica escrita (objetiva), visando classificação para matrícula bem como formação de cadastro de reserva. Os candidatos aprovados foram convocados para matrícula, sendo as vagas remanescentes ocupadas pelos participantes classificáveis do cadastro de reserva.

PERÍODO

21   agosto 2019 a  23 outubro 2020

VAGAS

30 vagas

CARGA HORÁRIA

460 h/a

COORDENAÇÃO

Geórgia de Mendonça Nunes Leonardo
Patrícia Amanda Pereira Vieira

INFORMAÇÕES

Email: espevcm@gmail.com / 3101-1400